Olá Bibliófilos!

Eu simplesmente amo a Turma da Mônica! Os gibis que retratavam as aventuras da turminha me remetem a uma memória afetiva pois estão entre as minhas primeiras leituras. Eu lembro de ainda criança devorar os gibis e ficar ansiosa aguardando os exemplares chegarem às bancas.

Na Bienal do Livro SP de 2016 eu e a Gislaine tivemos um momento bem engraçado: estávamos andando pelos corredores quando avistamos a “Mônica” vindo em nossa direção. Nós entramos num estado de encantamento e nos vimos acenando para a “Mônica” como duas crianças..rs E quando ela acenou de volta para nós era como se estivéssemos cara a cara com a Mônica de verdade! Claro que sabemos que era uma pessoa normal por trás da fantasia de Mônica, mas estou contando essa história para vocês para ilustrar o sentimento que as personagens do Maurício de Sousa desperta em nós. Quem foi uma criança leitora dos quadrinhos da Turma da Mônica entende esse sentimento. Foi como se voltássemos a ser crianças por alguns instantes.

Diante disso fiquei muito empolgada ao saber que a HQ Turma da Mônica: Laços ganharia uma adaptação para o cinema em versão live-action. O elenco já foi escolhido e as primeiras imagens dos atores mirins caracterizados já foram divulgadas, e posso dizer? Tá lindo de ver! O elenco conta com Kevin Vechiatto (Cebolinha),  Gabriel Moreira (Cascão),  Giulia Barreto (Mônica) e Laura Rauseo (Magali). Continue lendo

O amor se inflama, morre, se quebra, nos destroça, se reanima…. nos reanima. O amor talvez não seja eterno, mas a nós ele torna eternos…

 

Sabe aquelas histórias que te prende de tal forma, que você só consegue parar de ler quando chega ao fim? Pois é, foi isso que aconteceu com a leitura de “Azul é a cor mais quente”.

A HQ escrita e desenhada pela autora Julie Maroh traz de uma forma muito bonita e delicada o amor entre duas garotas, Clementine e Emma. Toda a narrativa é feita através das confidencias escritas por Clem em seu diário, que é lido por Emma.

Clementine conta tudo o que acontece em sua vida, desde a adolescência até a idade adulta. Seus medos, frustrações, dúvidas e desejos, e tudo tão intenso que o leitor se aproxima da personagem, e vive junto com ela cada sentimento.

Continue lendo

Olá Bibliófilos !

Hoje vou falar de uma leitura diferente! Já faz algum tempo que eu tenho vontade de me aventurar no universo das HQs, mas ainda não tinha encontrado algo que me despertasse curiosidade, até que me deparei com Uma Morte Horrível da quadrinista francesa Penélope Bagieu. De cara fui fisgada pelo traço da autora, a capa é linda e traz cores vivas em primeiro plano, contrastando com tons mais acinzentados ao fundo. A sinopse também me chamou a atenção e não tive dúvidas, é por esse HQ que vou começar, e posso dizer que não me arrependi nem um pouco!

A trama gira em torno de Zoé, uma jovem parisiense de 22 anos que leva uma vida monótona e sem grandes perspectivas,  ela tem um trabalho que detesta e um namorado grosseiro. Zoé está descontente com sua vida, reclama de tudo mas vive acomodada e não toma nenhuma atitude para mudar as coisas, até que um dia seu caminho cruza com o de Thomas Rocher, um escritor muito famoso e nada modesto, mas que tem hábitos estranhos e vive recluso em seu apartamento.

 

Créditos da foto: Leia com a gente

Continue lendo

Olá Bibliófilos!

Outubro chegou… e com ele o Halloween! Apesar de ser uma tradição mais comum nos países de língua anglo-saxônica (em especial nos EUA) a festa tem se popularizado cada vez mais por aqui também!

O Halloween ou Dia das Bruxas é comemorado no dia 31 de outubro, mas os festejos costumam ocorrer durante todo o mês. E para não deixar a data passar em branco nós decidimos fazer posts especiais recheados de conteúdos e indicações de leituras trevosas aqui no blog! E para começar quero dar algumas dicas de HQs de terror, que por sinal estão em alta no mercado editorial.

Tem coragem? Então leia esse post até o fim….

 

Continue lendo

Leia com a gente © 2018 - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por Juliana Fonseca Webdesign & Ilustrações por: Gustavo Vicentini