O poder demoníaco procede não do mal. Mas do conhecimento das coisas.

 

Olá Terrófilos…

Até onde você iria, para tentar salvar alguém que ama? Iria ao inferno se fosse necessário?

Pela sua filha, David chegou muito perto…

 

Ouvi muitas críticas em relação a esse livro. Muitas boas, outras nem tanto. Tive a impressão de que o título “O Demonologista” levou a mente de muitos leitores imaginar que a história se tratava de uma série de exorcismos, ou algo que remetesse a brigas com demônios, meio que parecido com John Constantine, mas é totalmente diferente.

Comecei a leitura sem grandes expectativas, para evitar frustrações, mas o que aconteceu a partir de cada linha lida, foi que me tornei prisioneira da história. Prisioneira, não de uma forma ruim, mas daquele jeito que você se envolve tanto com o enredo, que não consegue desgrudar do livro a fim de saber o final da história.

David Ullman é um homem aparentemente comum, professor do Departamento de Inglês na Universidade de Columbia, especializado em mitologia e narrativa religiosa judaico-cristã. Apesar de ser um estudioso da área, David se considera totalmente ateu a tudo que esteja relacionado ao céu e inferno, anjos e demônios, Deus e o diabo. O seu interesse em estudar a bíblia durante a sua formação em literatura, foi surpresa até mesmo para si, como se tivesse sido atraído para dentro deste universo.

 

Crédito da Foto: Leia com a gente

Em sua vida pessoal, David arrasta um casamento já em desconstrução com Diane, que o acusa de ser um marido ausente, mesmo estando presente fisicamente, como se vivesse num mundo à parte, em que somente ele tem a chave de acesso. O casal tem uma filha Tess, uma garota de 12 anos, que mantêm uma relação mais próxima com o pai do que com a mãe. Isso por ter a personalidade muito parecida com a dele, o que faz Diane se sentir abandonada por sua própria família. Elaine O’Brien, melhor amiga de David e sua confidente, é na verdade o seu porto seguro. Pessoa que procura nos bons e maus momentos, e que inconscientemente conserva uma certa paixão, apesar de nunca ter havido nada entre os dois.

 

Desde sua infância, David possui uma vida conturbada, vários fatos estranhos o acompanham. Nunca conseguiu entender o que na verdade acontecia consigo. Sempre muito próximo do vazio, que poderia descrever como um tipo de depressão, melancolia. Algo como um amigo imaginário, como ele mesmo se refere, mas sem qualquer tipo de interação. Alguém que vive com um companheiro sombrio, o espreitando em todo momento a distância.

 

Meu mal é mais uma presença indefinível de uma ausência que esgota todo prazer. A sensação de que tenho um companheiro invisível me seguindo diariamente, esperando por uma oportunidade para conseguir um relacionamento mais próximo que aquele do qual já desfruta.

 

A trajetória para o desconhecido, se inicia no momento em que David aceita uma proposta para um trabalho em Veneza, o qual não tem nenhuma informação sobre o que seja. Mas ele aproveita o momento de crise no seu casamento, e decide enxergar a proposta como uma oportunidade de se afastar dos problemas, e ter um tempo para se divertir com sua filha. E é assim que os dois partem para Itália ao encontro de um plano assustador.

 

Crédito da Foto: Leia com a gente

 

Após testemunhar um fenômeno paranormal no seu destino, a situação começa a ficar obscura, incluindo o sumiço de sua filha. Pistas começam a deixar claro que o fato não foi por acaso. Algo o está chamando, e ele precisa descobrir o porquê, para que possa salvar sua filha, antes que seja tarde demais.

 

David é o narrador personagem da história. A partir dele, é que o leitor consegue se aproximar da trama, viver suas angústias, entender o que de fato acontece de estranho na sua vida. O cansaço pela busca de sua filha, e todo medo que o acompanha nessa caminhada.

 

O enredo tem como base, o livro “O Paraíso Perdido” de John Milton, poema que descreve a história cristã da queda do homem, através da tentação de Adão e Eva por Lúcifer e a sua expulsão do Jardim do Éden. A obra foi originalmente publicada em 1667. O livro, serviu de inspiração na criação de outras obras como as gravuras coloridas produzidas por Salvador Dalí em 1974. Outra obra mais contemporânea é a grafic novel Sandman de Neil Gaiman, que também se inspirou em Paraíso Perdido, tendo Lúcifer como um personagem que cita poemas.

 

O Demonologista é recheado de citações, notas de rodapé e passagens que faz o leitor se questionar se de fato as coisas não funcionam da forma que é retratada, algo que se aproxima muito da vida real. O estilo  de terror utilizado neste livro, é o que mais eu gosto, inteligente e sutil. Não precisa de um monte de cenas chocantes, ou de se fazer estardalhaço para que seja assustador. Ao contrário, é por trás de coisas simples e rotineiras, que coisas macabras podem acontecer. Pra mim, a cena de David conversando com o demônio, ambos sentados no balanço, é a melhor. Impossível não se imaginar na pele do personagem e não se arrepiar. Na minha humilde opinião Andrew Pyper trouxe ao enredo, a pitada certa de terror.

 

A guerra contra o paraíso nunca foi travada no inferno, nem na Terra. O campo de batalha está em todas as mentes humanas.

 

Crédito da foto: Leia com a gente

 

Uma personagem que não me identifiquei muito na história foi a O’Brien. Achei que em alguns momentos sua participação era um tanto forçada, sempre querendo dar um tom mais alegre, com piadinhas fora de contexto, fazendo com que sua participação fosse desnecessária em algumas cenas.  Fora isso, não tenho outras críticas.

 

Eu quis esse livro no minuto em que coloquei os olhos nessa capa. E na mesma hora decidi que não havia a mínima possibilidade desse título faltar na minha estante, antes mesmo até de ler a sinopse (loucuras de colecionador). Sou apaixonada pelos livros lançados pela Darkside, porque ela une dois pontos que são praticamente irresistíveis pra mim, livros de terror + edições de luxo. Isso não quer dizer que compro livros somente pela capa, mas não posso negar que elas me atraem muito. E o trabalho visual realizado neste livro é simplesmente um arraso, de muito bom gosto.

 

Durante toda a leitura, uma coisa passava pela minha cabeça “esse livro merece um filme”. Então, imagina minha felicidade ao chegar no posfácio, e me deparar com a informação de que o livro terá sua adaptação para o cinema. Procurei por mais informações sobre essa possível adaptação, mas não encontrei nada de concreto. Diante disso, só me resta ficar na torcida e esperar.

 

Fica aqui a dica de um livro genial, e que além de te causar calafrios, vai fazer com que se sinta observado.

 

Título: O Demonologista

Autor: Andrew Pyper

Tradutor: Cláudia Guimarães

Ilustrador: Gustave Doré

Editora: Darkside

Ano de publicação: 2013

Gênero: Terror

 

Até a próxima Terrófilos!!!