“E foi assim que começou a famosa Lista Negra: como uma piada. Uma forma de descarregar a frustração. No entanto, ela acabou se transformando em algo que eu nem imaginava” (pag. 85)

 

Bullying, palavra tão presente nos dias de hoje. Ouvimos sobre o assunto na TV, lemos sobre isso nos jornais, ouvimos casos e relatos reais o tempo todo. A palavra está sempre associada a sofrimento e não raro a tragédias.

 

O bullying é um assunto indigesto, mas que precisa ser falado, discutido, tratado. E é isso que a autora Jennifer Brown faz nas páginas de seu livro A Lista Negra. Fala do bullying e de como sua prática pode destruir pessoas e vidas, inserindo um tema tão dramático e com carga psicológica tão forte em uma narrativa juvenil.Continue lendo

Olá Bibliófilos!

Hoje quero falar com quem gosta de escrever! Se você já rabisca seus próprios escritos e gostaria de compartilhá-los com o mundo, que tal participar de concursos literários? Pois é, existem muitos concursos realizados por editoras, revistas e entidades que apoiam e divulgam a leitura. Alguns possuem premiações em dinheiro e até a inclusão dos contos selecionados em livros a serem publicados!

Nós aqui do Leia com a gente já nos aventuramos na escrita de contos (alguns já publicados aqui no blog) e o retorno tem sido gratificante! Quando se escreve um texto é legal compartilhar por aí! Para os escritores iniciantes é uma ótima oportunidade de divulgar sua obra e até para quem não tem pretensões literárias mas gosta de escrever, é uma experiência bem bacana.

Para dar uma forcinha aos amantes da escrita, fiz um apanhado de concursos literários com inscrições abertas entre os meses de junho e setembro. Confira como participar e arrisque-se!

 

Continue lendo

[RESENHA] A garota italiana (Lucinda Riley)

“Eu era feliz, e meus sonhos não iam além do pôr do sol seguinte.” (pag.12)

Olá bibliófilos!

Sim, eu confesso: sou apaixonada pela narrativa da autora irlandesa Lucinda Riley, e com A Garota Italiana não foi diferente. Adoro suas tramas que cortam o tempo e mostram a saga de gerações de uma mesma família. Os enredos que falam de amor e de ódio, esses sentimentos que muitas vezes caminham lado a lado. Outro aspecto que eu gosto muito dos  livros da autora são os cenários e culturas diferentes. Alguns livros da autora já me fizeram mergulhar nas paisagens lindas da Irlanda, na cinzenta e charmosa Inglaterra e até a exótica Índia. Agora chegou a vez da bela e alegre Itália ser palco de mais uma história de Lucinda Riley.

A garota italiana foi escrito originalmente em 1996, quando a autora era ainda muito jovem e utilizava um pseudônimo (Lucinda Edmonds) para assinar suas obras. Em 2015 seu editor sugeriu que ela resgatasse seus primeiros livros para uma reedição. Foi então que a história de Rosanna Menici e Roberto Rossini saiu das páginas amareladas de um manuscrito, passou por uma revisão da autora e foi relançado, e o resultado foi muito, muito bom. Quem conhece outros livros de Lucinda Riley vai notar logo de cara uma diferença no estilo da escrita. Ao contrário da maioria de suas histórias – narradas de forma não linear – esta segue uma ordem cronológica mais estruturada.

Continue lendo

[SÉRIES] Vamos falar sobre Supermax?

“Agora é cada um por si.”

– Supermax

 

Olá Bibliófilos!

 

Hoje vou falar sobre uma série cujo lançamento causou frisson na internet e gerou muita expectativa entre o público: Supermax, produzida pela Rede Globo é a primeira série de terror brasileira exibida em um canal aberto.

A trama tem como ponto de partida um reality show nada convencional filmado em uma prisão de segurança máxima desativada no meio da floresta amazônica. Os 12 participantes que disputam o prêmio de 2 milhões de reais tem uma coisa em comum: todos eles já foram condenados por algum crime.

Tudo parece ir bem até que no dia seguinte a estreia do reality os participantes percebem que perderam contato com a produção do programa. A partir daí coisas estranhas começam a acontecer fazendo com que eles já não saibam mais o que é ou não realidade.

 

Supermax - logo

Logo de cara podemos perceber que houve sim alguma inspiração em séries americanas de sucesso como The Walking Dead, America Horror History, True Detective, Supernatural e Lost. Mas isso não chega a estragar a trama, as referências estão ali, mas há também muita coisa original, além disso quando a TV aberta brasileira resolve investir em uma série de terror, temos que dar pelo menos uma chance.

Não pretendo dar spoilers, então elaborei uma relação de motivos pelos quais acredito que Supermax merece sua atenção. Bora ver?

Continue lendo

[CONTO] O quadro (Michele Lebre)

“Como a noite, ela caminha em beleza,
De tempo aberto e céu estrelado.”
— Lord Byron

Ao adentrar a casa teve certeza que era perfeita. Luz natural, arejada e o mais importante: a vista para o mar. Pedro adorava o mar e aquela praia quase deserta no sul da Bahia lhe daria o que mais precisava naquele momento: inspiração.

Já fazia dois anos desde o lançamento de seu último livro, o quarto de uma sequência de sucessos, e desde então não conseguia mais escrever, estava com um bloqueio criativo pelo qual nunca havia passado. Seu editor já estava pressionando-o, sentia-se sufocado e precisava voltar a ser o bom e velho Pedro Monestel, escritor best-seller. A esposa e os gêmeos tiveram que aceitar que ele precisava desse refúgio, longe de tudo e de todos.

Foi então que reparou no quadro pendurado na parede do quarto. Tinha cores fortes e retratava uma bela mulher, de longos cabelos negros, pele bronzeada e olhos amendoados. Vinha caminhando em direção a praia, saindo do mar.

Continue lendo

Leia com a gente © 2018 - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por Juliana Fonseca Webdesign & Ilustrações por: Gustavo Vicentini